Festa no Inferno






Festa no Inferno
Eduardo Feldberg - 12/03/2009






Neste pequeno estudo, escreverei sobre uma questão que aguçou minha curiosidade há alguns meses atrás. Trata-se de um assunto que não chega a ser polêmico, nem caloroso, mas simplesmente bem dividido na opinião dos cristãos.



Você acha que o Diabo quis matar Jesus, ou impedí-lO de morrer?



Muitos crêem que o Diabo almejou a morte de Jesus desde o início, ao passo que outros vêem o inimigo de nossas almas tentando impedi-lO de subir à cruz.



E o pior é que na Palavra, de acordo com o ponto de vista do leitor, pode-se entender as duas coisas. Destarte, podemos concluir que ou nós estamos errando em algum ponto, ou que há uma terceira alternativa, harmônica.

  • Os que defendem que o Diabo quis ver Jesus morto na cruz dizem que o Diabo não sabia do Plano de Salvação elaborado por Deus, ou que o Diabo sabia, mas não achava possível, ou que o Diabo não entendeu as profecias que previam estes fatos, pois não tem o Espírito Santo nele. Citam versículos que revelam o desejo do inimigo em matar a Jesus desde o início de sua vida, com a matança de Herodes. Após isso, com as diversas tentativas de, influenciando as pessoas, matar a Cristo apedrejado, ou lançado de um penhasco, ou o simples boato de que houve uma festa no inferno no momento da expiração.

  • Os que defendem que o Diabo queria que Jesus vivesse citam que o Diabo já sabia do Plano de Salvação, e, portanto não queria ver Jesus na cruz, pois essa seria a sua derrota. Dizem que o sufoco vivido no Getsêmani foi uma tentativa do Inimigo de impedir Jesus de ir à cruz, e que o apelo de Pedro foi um intento do Diabo de desalentá-lO.


Particularmente tenho uma visão alternativa, que concilia ambas as posições.



Creio que o Diabo sempre quis ver Jesus Cristo morto,

mas jamais quis que Ele subisse à cruz.

"O amor que Cristo tinha pela cruz contrapõe o pavor que o Diabo por ela."



O que quero dizer é que o Diabo queria ver Jesus morrendo, mas de forma não-sacrificial. Que Jesus perdesse a vida involuntariamente, e não da forma já planejada, conforme as profecias veterotestamentárias.


As minhas convicções e premissas para esta minha conclusão são:

1) O Diabo sabia que Jesus viria à terra. (Gn 3.15)

2) Penso que o Diabo entendia sim as profecias. Não creio que só quem está cheio do Espírito tem capacidade de entender as profecias. É mais provável essa necessidade para se crer nelas do que para entendê-las. Mesmo porque, grande parte das profecias a respeito do Salvador foram bem claras e inteligíveis, como as de Isaías.

3) Para o homem, que dificilmente crê em Deus, pode ser difícil crer nas profecias, mas para o Diabo, um anjo caído que conviveu com o próprio Deus, não há motivos, muito menos agravantes “para se crer neste descrédito”. (Ez. 28.14)

4) Mesmo que o Diabo não entendesse profecias, Jesus por diversas vezes declarou aos discípulos abertamente seu plano de salvação, discorrendo inclusive sobre a forma com que morreria, e três dias após, ressuscitaria. (Mc 8.32)

5) Se Jesus disse abertamente sobre sua vitória após a morte, se o Diabo O ouviu, e se o Diabo tem certeza de que Jesus não mente, ele imediatamente reforçou a certeza – que, para mim, já tinha - de que Jesus iria vencer em sua própria morte. (Mt 16.21, 22)

6) Desde a gravidez de Maria, o Diabo já sabia que o fruto do ventre dela seria o Salvador do mundo, pois conhece o mundo espiritual e soube do anúncio do anjo à Maria. (Lc 1.35)

7) Especulo que, apesar do êxodo causado pelo recenseamento, a falta de lugares para nascer o Rei foi uma estratégia do inimigo para impedir seu nascimento, mesmo já estando tudo isto previsto pelos profetas. (Lc 2.7) Além de uma estratégia do inimigo, também vejo esta situação como uma forma de Deus manifestar Sua grandiosidade nas pequenas e humildes coisas. Vale lembrar que Deus tem o talento de reverter as terríveis idéias do Diabo em circunstâncias que O glorificam. Sendo assim, mantenho a especulação.

8) Como lemos em 1 Jo 3.8, Jesus Cristo se manifestou para destruir as obras do Diabo, tanto em seu "post-mortem" quanto em sua estadia física nesta terra, como vemos nos inúmeros atos de libertação, salvação e cura envolvidos em Seu ministério. Isso só veio a aumentar a pressa do inimigo em vê-lO fora de seu caminho, pois por onde Jesus ia, o Diabo tinha que sair. E saia! (Mt 8.32) Mais um motivo para matá-lo urgentemente.

9) As inúmeras tentativas de matar a Cristo foram a meu ver uma tentativa de impedi-lo de chegar à cruz. Desde Sua meninice, com a matança de Herodes. (Mt 2.16)

10) Após isso, com as pregações de Jesus, vemos constantemente os ouvintes tentando assassinar a Cristo. Isto tem um dedo (ou a mão inteira) do Diabo, que influencia as pessoas para o assassínio. (Lc 4.29,30; Jo 8.59)

11) Vejo que a tentação de Jesus no deserto foi mais uma tentativa satânica de corromper a missão do Messias, causando-lhE uma morte prematura, um desvirtuamento missionário ou fazendo-O incidir no pecado, anulando sua imagem de Sanctus Agnus Dei.

12) O próprio apóstolo Pedro tentou, na maior das boas intenções - como qualquer um de nós -, impedir a Cristo de ir à cruz, porém, por trás dessa boa intenção estava uma influência mental do Inimigo, mas o plano não vingou. (Mt 16.22)

13) No Getsêmani, vemos que a opressão foi muito grande, e que Jesus se esforçou muitíssimo para continuar Sua missão. Tamanha dificuldade provavelmente foi gerada por pensamentos de desistência, do tipo “pra que tudo isso”, por parte do Diabo, mas Cristo se esforçou e foi até o fim. (Mt 26.38, 39)

14) Até mesmo na cruz, o Diabo tentou influenciar pessoas para fazer Jesus desistir de tamanho sofrimento, dizendo “Desce daí!”, “Salva-te a ti mesmo”, tentando-O. (Mt 27.40-44)

15) Em nenhum lugar na Bíblia lemos que Satanás queria ver Jesus na cruz. Ou que o Diabo foi quem o matou. Ou que o Diabo se esforçou para vê-lo crucificado.

16) Pelo contrário, a própria Palavra de Cristo nos diz que ninguém tiraria sua vida, mas sim que Ele próprio a daria. (Jo 10.17, 18)




Embasado nestas afirmações, infiro que o Diabo ambicionava uma morte não-sacrificial do Rei dos Reis. Assim, não seria uma “auto-oblação voluntária”, mas sim um mero homicídio, pois os pés de Jesus caminhavam em direção ao Calvário, na velocidade do tempo de Deus, e não a um precipício, sendo levado pelo desejo de Satanás.

Mas por que a morte não poderia ser num penhasco?

Lembrando que o sacrifício do A.T. é uma tipologia do sacrifício de Cristo, imagine a diferença entre o sacrifício de um cordeiro que caminha calado em direção ao holocausto, e que, por meio de sua morte, derramamento de sangue e pureza, gera perdão para todo um povo, e um cordeiro que está "à paisana" e repentinamente é jogado de um penhasco. Percebe a diferença? É por isso que entendo e vejo um esforço do Inimigo em evitar a cruz. A missão de Jesus era a de vir a Terra e dar a vida em resgate de muitos, e não a de simplesmente morrer. Ele daria Sua vida voluntariamente.

Outra questão é a do sofrimento do Messias. Conforme Isaías 53.10, agradou ao Senhor moê-lO, pois seu sangue nos purificaria de nossos pecados, enquanto as marcas de Seu corpo purificariam o nosso corpo. Por isso Jesus sofreu tanto, com coroa de espinhos, espetadas, pregadas, chicotadas, etc. Fato não alcançado se houvesse uma queda imediatamente fatal.



Satanás tentou assassiná-lO, impedindo-O de cumprir as profecias, e de levar a cabo sua missão de DAR a vida em resgate de muitos na cruz.


É claro que Jesus jamais seria derrotado, ou sucumbiria, embora sua humanidade fosse severamente provada, mas pra quem não tem nada a perder, como Satanás, sempre há uma esperança.

Sendo assim, saliento uma última vez:



Satanás conhecia Jesus, O reconhecia como o próprio Deus, sabia de Seu plano de Salvação, e tentou impedi-lO. Qualquer linha de pensamento que afirma o desejo de Satanás em ver o Cristo na cruz para mim é inválida.

Consequentemente, ao meu modo de ver, qualquer indicação de que “houve festa do inimigo” após a consumação da maior vitória já ocorrida na terra também é inválida, conforme as citações bíblicas supracitadas. Apesar da possibilidade de comemoração em outros lugares, vale salientar que o inferno ainda não fora inaugurado, e que, como lugar de tormento e torturas eternas, jamais haveria uma festa lá. Não há indicação biblica que dê margem a esta idéia.

Muitos dizem que houve festa no inferno. Penso que o terremoto que houve em Jerusalém já era mais que o suficiente para acabar com qualquer balada infernal, bem como para tirar a "paz" do Diabo.

Na Bíblia não há nenhum versículo que fale sobre essa festa, e aproveitando, digo que também não há referência alguma que dê a entender que Jesus foi até lá e tirou as chaves das mãos do Diabo. A Bíblia é clara com relação à posse da Chave da Vida e da Morte: Elas sempre estiveram nas mãos do Senhor. Satanás jamais teve posse dessas chaves. A Bíblia também não sugere que Jesus desceu até o inferno. Trata-se de uma tradução incorreta de alguns versículos bíblicos, como Ef. 2.9, de interpretações equivocadas de versículos como 1 Pe 3.19, e da fé infundada em trechos de credos eclesiásticos. Satanás não tinha o que comemorar.



Satanás quis vê-lO morto, mas não na cruz, que de antemão já era símbolo de Sua vitória.



P.S.: O escopo deste artigo é a mera exposição de minha opinião - como a maioria dos outros artigos deste blog - e não uma crítica à músicas ou textos da mídia. Respeito os demais entendimentos, a despeito de minha discordância.

E.F.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade para deixar seu comentário. Não costumo responder neste espaço, então, caso queira um retorno, lembre-se de deixar seu e-mail no comentário. Obrigado!

Postar um comentário